Adin Steinsaltz (1937-2020)

Is that an obituary?

–What do you think?

The Jewish habit of answering one question with another is not just a stereotype. It is a symbol, a way of life, an existential mark that is imprinted, both in the genotype and in the cultural tradition.

“Question, oh Israel!” it has been a motto of this people.

This is what Adin Steinsaltz, a chemist, rabbi, Talmudist, sociologist, educator, philosopher and many other attributes, tried to leave as a legacy.

Many would be impressed by its worldwide notoriety. Time magazine once classified him as “a scholar who is born every millennium” (in free translation). About 30 years ago, a dear close uncle pointed me to a newspaper article that commented on that article by the late “Jornal da Tarde” to draw attention to the importance of the phenomenon. Careless, I didn’t pay much attention.

In addition to photographic memory, translating – or, borrowing, the expression of Haroldo de Campos, ” transcribing ” – or turning the Talmud into contemporary Hebrew was considered an impossible task. And, for some, heretical. That’s what he was willing to do for 45 years. And this can be an indication of a spirit that transcends common scholarship: it is an obsessive intellectual perseverance.

We always think that encounters with people are long-lasting. Now I find that they don’t last. The duration can be of uncomfortable brevity, and is generally insufficient. And only retrospectively can we assess the density, quality and meaning of an interlocution. How many do not pass before us without the memory taking the trouble to fix the conversation, the presence, or both. In the extensive succession of moments of a lifetime only a few deserve recording. It happened in the four times that I had the privilege of meeting and interviewing Adin Steinsaltz , thanks to the help of my great friend Isaac Michaan .

Someone has already called him a Renaissance man. This definition probably makes more sense, since Adin naturally and spontaneously gathered several fields of knowledge without worrying about reaffirming an expertise in any of them. In fact, it was sharp when it came to criticizing the limits of super specialized knowledge .

“Science works because it is limited to a small group of subjects. There is no capitalized science. Some of the scientists who deal with the big questions are accused by colleagues of practicing philosophy. I respect them and my original training is in chemistry, not in the humanities. I am much more happy to talk about a test tube and laboratory tests than philosophical subjects, but science is part of the insanity. It is part of the insanity when you assume that the issues are much bigger than they really are. When you talk to a scientist, you ask yourself questions, which if you are sincere you will answer: how can I know by God? Do you ask me about the fate of humanity? I wouldn’t know how to answer. If you ask me what will happen in two days, how will I know? I can answer about the few things I know now. I don’t try to make science a kind of pagan god. And in doing this, I’m doing science well because that’s what it is. When the sun is a god, it is a dangerous god, when the sun is just a star in the sky it is much easier to deal with. ”

His intelligence, unpredictable and analog, intrigued the interlocutors. And, at the same time, it boosted his own curiosity.

His way of looking into the minds of the men and women he spoke to was someone who started out of nowhere. It was in the open that he started his exploration. In the meetings I had, I could feel his investigative gaze, not exactly like that of a scientist, but that of someone who, even in the face of an intense intellectual life, did not lose the ability to be surprised.

He looked at me, as he repeatedly lit the smoke from the almost extinguished fire. And it was this fire, almost always extinguished, that kept it burning. It was more than a metaphor the ember he tried to keep in evidence.

When I remembered the lighter that pulled the flame to the center of the pipe, and the hiss that accompanied the aspiration of Dutch tobacco, it took me almost a decade to notice that his uninterrupted research was aimed at finding some trace of novelty in people. My impression is that he searched the haystack in search of the sparks that are scattered, he knew that it was necessary to collect them, but without unifying them. If they must be together, they can only exist as separate entities. For this reason, he always insisted on the scriptures that praised the action.

“I do” he insisted.

In some interviews, which can be found on YouTube and through its foundation the ” Aleph Society , it is possible to evaluate the myriad of subjects that he dominated and traveled with ease: from mystique to medicine, artificial intelligence and cloning, to the most delicate subjects of politics and philosophy.

My impression, listening to my recorded conversations with him, was that I sought to capture one or more nutrients that could be used to ask questions never asked before. He used the method to test the method. Not as a ready and crystallized instrument, but to find new ways to operate it. After all, this was his leitmotiv , as he expressed in several interviews when trying to justify his insistence and predilection for the book that compiled the oral tradition of Judaism:

“The Talmud is a unique book, there is nothing like it, it is a book of discussions, which does not teach sanity, but creates sanity”.

Why ? For the ability to instigate the continuous asking of questions. In this sense, it might seem like an anticipation of the modern scientific method of empirical induction , but it is not. It is not only that. There is, in the generous understanding that Adin brought – and anyone who can understand the unique expression that his eyes conveyed knows what I speak an ultimate purpose, a teleology that generates the future, that improves discernment, that has the power to make people better than they are.

His conference at Oxford University a few years ago, as well as many other lectures he gave around the world, worked as a warning, optimistic, but still a warning, the same unified message that was in the title of the book he published in the 1960s: ” The sociology of ignorance “.

Making the world better is also demystifying it, and that is what contemporary civilization lacks in the end, where paganism and fanaticism nullify efforts to promote tikun olam , “fix the world”. And to fix it, you need to bewilder it. This does not mean to abolish symbols or individual mysticism itself, but to take special care not to make substitute gods holders.

–And the question that you do not want to answer?

–Adin, can you answer?

 

Adin Steinsaltz: qual é a pergunta que nunca cala?(1937-2020) (Blog Estadão)

–Isso é um obituário?

–O que você acha?

O hábito dos judeus de responder uma pergunta com outra não é só um estereotipo. É um símbolo, um modo de viver, uma marca existencial que está impressa, tanto no genótipo como na tradição cultural.

“Pergunta, oh Israel!” tem sido um motto deste povo.

Pois é isso que Adin Steinsaltz químico, rabino, talmudista, sociólogo, educador, filósofo entre outros tantos atributos tentou deixar como legado.

Muitos ficariam impressionados com sua notoriedade mundial. A revista “Time” certa vez o classificou como “um erudito que nasce a cada milênio” (em livre tradução). Faz mais ou menos uns 30 anos que um querido tio próximo apontou-me uma matéria de jornal que comentava aquela reportagem do saudoso “Jornal da Tarde” para chamar atenção para a importância do fenômeno. Displicente, não prestei muita atenção.

Além da memória fotográfica, traduzir — ou, emprestando, a expressão do Haroldo de Campos, “transcriar” — ou verter o Talmud  ao hebraico contemporâneo era tido como uma tarefa impossível. E, para alguns, herética. Pois foi o que, durante 45 anos, ele se dispôs a fazer. E isso pode ser um indício de um espírito que transcende a erudição comum: trata-se de uma perseverança intelectual obsessiva.

Sempre achamos que os encontros com as pessoas são duradouros. Agora descubro que não duram. A duração pode ser de uma brevidade incomoda, e, é, geralmente, insuficiente. E só retrospectivamente conseguimos avaliar a densidade, a qualidade e o significado de uma interlocução. Quantos não passam diante de nós sem que a memória dê-se ao trabalho de fixar a conversa, a presença, ou ambos. Na extensa sucessão de momentos de uma vida só alguns merecem gravação. Foi o que aconteceu nas quatro vezes que tive o privilégio de encontrar e entrevistar Adin Steinsaltz, graças a ajuda do grande amigo Isaac Michaan.

Alguém já o chamou de um homem da Renascença. Provavelmente esta definição faça mais sentido, já que Adin reunia, natural e espontaneamente, vários campos do saber sem se preocupar em reafirmar uma expertise em nenhum deles. Aliás, era afiado quando se tratava de criticar os limites do saber super especializado.

“A ciência funciona porque se limita a um grupo pequeno de assuntos. Não há ciência com letra maiúscula. Alguns dos cientistas que lidam com as grandes questões são acusados pelos colegas de praticar filosofia. Eu os respeito e minha formação original é em química, não em ciências humanas. Tenho muito mais prazer em falar sobre um tubo de ensaio e testes laboratoriais do que de assuntos filosóficos, mas a ciência faz parte da insanidade. É parte da insanidade quando assume que os assuntos são muito maiores do que eles realmente são. Quando se fala com um cientista, perguntam-se coisas, que se você for sincero responderá: como por Deus eu vou saber? Você me pergunta sobre o destino da humanidade? Eu não saberia responder. Se você me perguntar o que vai acontecer daqui dois dias, como vou saber? Eu posso responder sobre as poucas coisas que eu sei agora. Eu não tento fazer da ciência uma espécie de deus pagão. E ao fazer isto, eu estou fazendo bem à ciência porque é isso que ela é. Quando o sol é um deus, é um deus perigoso, quando o sol é apenas uma estrela no céu é muito mais fácil lidar com ele.”

Sua inteligência, imprevisível e analógica, intrigava os interlocutores. E, ao mesmo tempo, impulsionava sua própria curiosidade.

Sua forma de perscrutar a mente dos homens e mulheres com quem conversava era de alguém que partia do nada. Era a céu aberto que ele iniciava sua exploração. Nos encontros que tive pude sentir seu olhar investigador, não exatamente como o de um cientista, mas o de alguém que, mesmo diante de uma vida intelectual das mais intensas não perdia a capacidade de se surpreender.

Ele me olhava, enquanto acendia, reiteradamente, o fumo do fogo quase extinto. E era este fogo quase sempre quase extinto que o mantinha aceso. Era mais do que uma metáfora a brasa que ele tentava manter em evidência.

Ao lembrar do isqueiro que puxava a chama para o centro do cachimbo, e o chiado que acompanhava a aspiração do tabaco holandês, demorei quase uma década para notar que sua pesquisa ininterrupta era direcionada a encontrar nas pessoas algum traço de novidade. Minha impressão é que ele vasculhava no palheiro em busca das fagulhas que encontram-se espalhadas, sabia que era preciso reuni-las, mas sem unifica-las. Se devem estar juntas, só podem existir como entidades separadas. Por isso, ele sempre insistiu nos trechos das escrituras que enalteciam a ação.

“Eu faço” ele insistia.

Em algumas entrevistas, que podem ser encontradas no YouTube e através da sua fundação a  “Aleph Society,  é possível avaliar a miríade de assuntos que ele dominava e trafegava com desenvoltura: de mística à medicina, inteligência artificial e clonagem, aos assuntos mais delicados da política e da filosofia.

Minha impressão, ouvindo minhas conversas gravadas com ele é que buscava capturar um ou vários nutrientes que poderiam ser usados para formular perguntas nunca antes formuladas. Usava o método para testar o método. Não como um instrumento pronto e cristalizado, mas para achar novas maneiras de opera-lo. Afinal, esse era seu leitmotiv, conforme expressou em várias entrevistas quando tentava justificar sua insistência e predileção pelo livro que compilou a tradição oral do judaísmo:

“O Talmud é um livro único, não há nada parecido, é um livro de discussões, que não ensina sanidade, mas cria sanidade”.

Por que? Pela capacidade de instigar a ininterrupta formulação de perguntas. Neste sentido, poderia parecer uma antecipação do método científico moderno de indução empírica, mas não é. Não é somente isso. Há, na compreensão generosa que Adin trouxe — e quem pode entender a expressão única que seus olhos transmitiam sabe do que falo —  uma finalidade última, uma teleologia geradora de futuro, que aperfeiçoa o discernimento, que tem a potencia para tornar as pessoas melhores do que elas são.

Sua conferência na Universidade de Oxford há alguns anos, assim como em muitas outras palestras que concedeu pelo mundo funcionava como um aviso, otimista, mas ainda assim uma advertência, a mesma mensagem unificada que estava no título do livro que publicou nos anos 60: “A sociologia da ignorância”.

Tornar o mundo melhor é, também, desmistifica-lo, e é disso que afinal a civilização contemporânea carece, onde paganismo e fanatismo anulam os esforços para promover o tikun olam, “o conserto o mundo”. E, para conserta-lo, é preciso desconcerta-lo. Isso não significa abolir os símbolos ou o próprio misticismo individual, mas um especial cuidado para não tornar deuses substitutos em titulares.

–E a pergunta que não quer calar?

–Adin, pode responder?

Diário do apartamento 5 – O velho anormal (Blog Estadão)

Lá se vão 136 dias em estado de animação suspensa. Trata-se de um momento fronteiriço. não sou de desperdiçar riscos, mas pensei em enfrenta-los. Decidido a ver os pais idosos, sai ainda impactado pela leitura de um recente artigo científico de autoria de dois psicólogos franceses que fizeram um sério alerta sobre o vírus e seu potencial para criar estados mentais patológicos*. Fora o rastro de destruição da economia, organização social e fobias suplementares, os efeitos colaterais da pandemia vem espalhando distúrbios que se assemelham às perturbações psicóticas. Desta vez considerei o tempo relativo dos confinados absolutos. Gente do chamado “altíssimo risco”. Para eles, um dia, uma semana e meses significaram nada mais, nada menos, do que uma brevidade maior de vida. Brevidade de vida ao ar livre. Brevidade de tempo relacional.

Mas, qualquer menção crítica à abordagem oficial dos governos é antecipadamente rebatida pela milícia jornalística uniforme dos meios de comunicação.  Enquanto nós e a opinião pública, como bons niilistas, recusamos a ver as benesses das evidentes mensagens dos dois RNAs. Recusamos o simbolismo opressor de um ser, que nem sequer temos consenso se é vivo.

Mais uma vez assumi os riscos, nunca precisamente calculado. Os idosos podem estar protegidos da ameaça infecciosa, mas decerto ainda são as vítimas preferenciais. É que o tempo, para eles, tem um escoamento mais célere, a renda encurta, as perspectivas afunilam, e o tédio vigora. Alguém considerou o impacto da melancolia e das saudades sobre os isolados? É muito fácil dizer para os outros “ao menos tu estás vivo”, porém, muito mais honesto, seria perguntar:

— Como tens vivido?

Mas quem tem coragem?

E quem pode dizer que não foi afetado? Não, faz tempo que não se trata mais da pandemia. Como dizia o sábio médico italiano Giambattisti Morgagni “cessam as causas, não cessam os efeitos”.

Mas os idólatras do fim insistem: quem ainda não enxergou que a vida como tínhamos acabou para sempre?  Quem se recusa a assistir webinares com o biólogo que desfila diariamente toda sua escatologia bibliográfica? Quando foi que nos transformamos em seres tão negacionistas? E principalmente, como um bando de não experts ousa discordar diante de evidencias tão colossais?

Pois descobri que sou um deles.

Já na porta do prédio dos idosos, tive um causal desencontro com um destes filósofos do arbítrio esclarecido, um escritor famoso que fez, por encomenda, biografias benévolas de caudilhos e ditadores:

–Tudo bem? Há quanto tempo!

–Tudo bem. (no esforço simulei a simpatia que não tinha) Fora o dióxido de carbono inalado dentro destas máscaras, reclamei.

— Pois é, um mal necessário.

Concordei com a cabeça, até que ele

–Mas tudo isso é para um bem muito maior….

— Como assim? Interrompi o passo no meio, e voltei-me ao tipo, já seguro que era para desperdiçar meu tempo.

–Essa doença é sofrimento, mas vai mudar tudo, vamos todos ficar de ponta cabeça. A natureza agradece. E, no final, a sociedade será reinventada, e a isonomia prevalecerá. E se deu por satisfeito ao  concluir sua tese de meio-fio.

–Isonomia? A sociedade será reinventada?

–Meu caro: é o novo normal.

Céus! Meu prognóstico para aquele desencontro desceu ao impensável. Era o que mais temia, mas jamais imaginaria que uma síntese estúpida se transformasse num slogan do senso comum.

— Espere um pouquinho mais e verás, respondi.

–O que? E ele esticou a corda que enforcava seu cachorro.

–Logo teremos o bom e velho anormal. Adeus, e, passe bem.

Deixei-o vociferando, enquanto virei as costas para o meu encontro com os derradeiros confinados.

A metapandemia está entre nós, para enlouquecer, matar e morrer. Os saqueadores subjetivos aproveitaram para impor suas agendas, exato, aquelas que ninguém pediu. E o festival de slogans anti estéticos contaminam: e “novo normal” é o mais detestável dentre todos. O novo normal dos prosélitos hegemônicos é uma mistura de wishful thinking com maniqueísmo instrumental.

A sociedade ideal, aquela que se assemelha aos sonhos dos ludopatas, aquele que insistem em regimes políticos totalitários que uma vez, em algum dia,  dará certo, é o vício incurável do “quase acerto”. A sociedade só pode ser aquela que eles imaginam, senão não faz o menor sentido. Melhor aliás seria que não existisse se não seguir o mapa da supremacia virtuosa. Pois o vírus tem sido usado sob esta diretriz e bandeira.

Uma agenda forrada de infecções ideológicas, de contaminação de ideias, e, principalmente, de uma hegemonia disfarçada de diversidade. É disso que se trata. Por qual outro motivo teríamos uma polarização nunca vista sobre eficácia de drogas, procedimentos preventivos, ações para conter o contágio? O sistema vem usando a máquina epidemiológica para triturar o que vê pela frente.

E, ao mesmo tempo, a mídia tornou-se uma voz unívoca, ventríloquos de sujeitos ocultos.

E é esta homogeneidade que prevalece contra todos, não importa se os cidadãos foram consultados, ou se a revolução da nova normalidade degradar a cultura, revisar a história e extinguir os monumentos, símbolos e valores.

Pois esta tese acaba de micar.

Há progressistas pelo fim da imprensa livre e conservadores reivindicando liberdade de expressão. Há guardiões constitucionais que querem impedir excessos sem sequer colocar o conceito de “excesso” para ser debatido. Há conservadores que gritam contra a usurpação do estado de direito. E é cada vez mais fácil saber porque a opinião pública não deve ser levada em conta: os bem pensantes superaram-se na arte auto congratulatória. Enxergam bem longe e acima da média para prospectar o futuro melhor do que ninguém. São eles os auto proclamados líderes, os únicos a poder nos ditar o que entendem ser o melhor para todos.

Finalmente entendi: o esforço para a normatização de um outro status quo é nos fazer ficar à mercê de novíssimas arbitrariedades. Fake news é só um contraditório selvagem que precisa de uma boa mordaça.

Sai do prédio e o filósofo ainda estava lá fumando e ostentando seu rottweiler estrangulado na coleira de couro. Ele então levantou a máscara para me olhar com cara feia e foi então que mostrou a língua.

Nem tudo é tragédia. Eu já sabia, de velho anormal eu entendo.

*https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S176546292030074X?fbclid=IwAR0l_3xY1CgwfUthYMl5GuB4E2WAO4BaseKMu9VLE1PZMaUsuj-5sJCsF-o

https://brasil.estadao.com.br/blogs/conto-de-noticia/diario-do-apartamento-5-o-velho-anormal/

 

Fera Avistada na Mantiqueira

 

 

 

 

F7FBF8DA-B686-4124-91B3-8533C2522609_1_201_aFera avistada na Mantiqueira.*

Onça parda, matreira, quase extinta, ligeira.

Como gato, que, pardo, à noite é furta-cor.

Fulminou a câmera de lado, e, arrepiada, olhar luminescente, encarou.

Euforia: animal errante, fugidio.

Chegou ao portão, elegante, arredio.

Reciclagem da natureza, aparição oportuna?

Voltam pelos mananciais preservados,

O selvagem reintegrado?

Ou o vigor da floresta na escuridão gatuna?

Festa, o imaginário ressignificado.

Em meio à solidão, um cenário sob mutação.

Seria um jaguaruni, arisco?

Um gato mourisco?

De qualquer modo, aura felina onipresente.

Esquiva, cautelosa, imponente.

A ciência, provocada, cogitou:

Gato, selvagem, onça, pantera, jaguaruni?

E o que importa? Não nos basta contempla-los aqui?

 

*(Inspirado em uma história um tanto irreal)

 

 

Insignificâncias do mal (Blog Estadão)

https://brasil.estadao.com.br/blogs/conto-de-noticia/insignificancias-do-mal/

 

 

Hannah Arendt, vista por sua criadora 

A Coragem moral de Hannah Arendt

‘Hannah Arendt’, o filme de Von Trotta

        

                 

Insignificâncias do mal

Dezenas de artigos, análises e conversas de rua depois, o filme de Margarethe Von Trotta sobre a filósofa Hannah Arendt, ainda não foi devidamente esmiuçado. O filme é cinematograficamente bom sob a presença cênica de Barbara Sukowa impecável no papel principal. O acerto está também na inserção de trechos originais dos debates que representaram uma das batalhas jurídicas essenciais para a compreensão do século XX. Mesmo assim, as vicissitudes superam as virtudes deste longa metragem.

A impressão que fica é que não se executou uma obra da sétima arte, mas defesa de tese com recursos filmográficos. A diretora e a roteirista, Pam Katz, parecem ter privilegiado um enfoque que, além de vez por outra lançar condenações veladas ao sionismo, buscaram expurgar a ansiedade de consciência que ainda paira sobre o papel coletivo dos alemães durante o III Reich.

E se da arte não se deve esperar completude, pode-se sim exigir honestidade intelectual no trato das ideias.

Um dos mais comandantes do alto escalão nazista, Adolf Eichmann, foi capturado em Buenos Aires em 1960 pelo serviço secreto israelense. Ironicamente, quem casualmente o identificou na capital argentina foi um judeu alemão idoso e cego, ele mesmo vítima sobrevivente da juventude hitlerista. A pauta central do filme é o julgamento em Jerusalém do homem que teria arquitetado a “solução final” – o projeto de eliminação sistemática dos judeus europeus.

Determinada na defesa das ideias contidas em seu “As Origens do Totalitarismo” a filósofa decidiu assistir o julgamento de Eichmann como correspondente do New York Times e redigiu artigos para publicação na revista da casa, aNew Yorker.

Para ela, toda cúpula nazista não era, necessariamente, composta por monstros, pervertidos ou aberrações da psicopatologia e o depoimento mecânico e sonso de Eichmann aos juízes israelenses pode ter ajudado a ludibria-la quanto à natureza de alguém, que em uma entrevista em 1957 a um ex-companheiro, já se definia como “um idealista”. Contrariamente às acusações da época, em momento algum Arendt o absolve, investe na relativização da grandiosidade autoral do criminoso. O teórico nazista era apenas um caso fortuito de mediocridade existencial, venial, sediço, frívolo, anódino, ridículo. Este tipo de insignificância era chamada por aqui, nos séculos precedentes, de “dez réis de mel coado”. Dessa perspectiva, o gerenciamento do mal poderia ser exercido por qualquer um contra qualquer um. A verdade empírica é de que não foi qualquer um, nem contra qualquer um. O extermínio foi ditado por sujeitos contra sujeitos. Antes do despejos nas valas tinham nomes, identidade, vida.

Pela ocasião da publicação do livro “Eichmann em Jerusalém” que Arendt concebeu o subtítulo “banalidade do mal”. Sua perspectiva original, ampliar o debate e desmontar a retórica maniqueísta que simplificava a luta entre o bem e o mal. Para ela, não havia nada grandioso ou extraordinário. A verdade psicológica, a energia motriz que esteve todo tempo por trás do genocídio que teve curso entre 1939 e 1945 era fundamentada numa mesquinharia. Enxergar massacres entre os quais o maior infanticídio já registrado como reflexo de uma atitude que banalizava o mal, foi uma ideia revolucionária e hoje sua tese parece ter sido assimilada como uma das ideias consistentes para a compreensão do período. Contudo, no afã de tentar reduzir o mentor intelectual dos assassinatos em grande escala a um paspalho dotado de semi-consciência de seus atos, abusou das ilações e conclusões a partir do material casual que conseguiu reunir.

O filme pesa a mão para construir Arendt como paladina do racionalismo imparcial que ela mesma resumia como “pensar sem corrimões”. A escada, no entanto, costuma ser mais sinuosa, escorregadia e íngreme; as vezes termina em parede.

O roteiro ainda faz uso subliminar da ideia de que por ser judia, a escritora seria porta-voz de insuspeita imunidade intelectual.  Foi assim que Arendt reuniu coragem suficiente para abordar o tema considerado tabu e, abusando do aval, concedeu-se revirar a índole das vítimas. Senão o que significaria a perigosíssima generalização de que as lideranças judaicas, os chamados “conselhos judaicos” eram colaboracionistas? Para tentar aliviar a tensão o filme deixa no ar a possibilidade de que tenha sido um colaboracionismo involuntário.  Em vão. Entre milhões de dramas que em que se constituiu a micro história de cada pessoa, milhões de famílias, cidades e comunidades inteiras seria impossível construir uma grande teoria unificada que explicasse a complexidade dos eventos daqueles anos.

Além disso, a realidade de solo não correspondeu exatamente aquela que Arendt colheu das pesquisas bibliográficas e dos autos do processo que acompanhou pessoalmente em Jerusalém. Neste caso, teria sido vital cuidado acadêmico e  tenacidade filosófica para conduzir entrevistas qualitativas em profundidade. A missão de quem pesquisa é capturar a realidade com mais acurácia antes de formular uma teoria tão compreensiva. Especialmente, se o drama tiver redes e raízes e que se estenderão através da história.

Não só o filme “Shoah” de Claude Lanzmann, mas muitos relatos de sobreviventes do holocausto – alguns deles por mim ouvidos em detalhadas narrativas —  afirmaram que o processo de seleção que os nazistas operavam nas vilas, cidades, e pequenos guetos de toda a Europa, particularmente nos países do leste europeu, caracterizava-se primeiro pelo domínio dos territórios. Em seguida, varreduras em arquivos públicos em busca dos “não arianos”. O passo seguinte, identificar líderes locais (políticos, médicos, rabinos, professores e qualquer que tivesse alguma função de organização) para enfim os reunir e os fuzilar ou queima-los vivos.

Por mais esforços atenuadores e indulgentes que os bem pensantes contemporâneos possam fazer, sempre será incontestável que o país com reputação de primor da civilização iluminista ocidental tenha dado à luz, um dos períodos mais obscurantistas da história.

Assistam, mas saibam que, para alívio dos espectadores, o verdadeiramente perturbador foi providencialmente deixado do lado de fora da película.

 

 

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/ciencia/o-preco-da-diversidade/ o preço da diversidade.

A série jornalística sobre a homeopatia na Rede Globo de Televisão terminou. Não se pode ficar impassível diante de alguns aspectos levantados pelo programa Fantástico. Pudemos constatar uma série de afirmações seriadas, em que pesquisadores, um mágico e médicos falaram contra e a favor da homeopatia. Tivemos que suportar o clima caricaturesco do programa em forma de duelo, até que no domingo anunciou-se o previsível veredicto de que a homeopatia falhara no teste proposto pela BBC, que incluía o mago James Randy no ‘corpo de jurados’.

A redação final era que não se poderia falar que funciona nem que não funciona. Se funciona, não é pelo que se supõe que seja.

O que foi insuportável não foi a Globo abordar um assunto com este potencial de interesse, nem ter monitorado a reportagem – nada de novo – desde o início, para ao final deixar como legado as seguintes impressões explicitas ou subliminares:

1) Que tudo que não tem uma explicação cabalmente demonstrável pelo monopólio metodológico não pode ser possível, sob nenhuma outra metodologia ou circunstâncias. Tudo isto reduzido à máxima: tudo que não pode ser explicado não acontece.

2) Que os ensaios in vitro, isto é, os ensaios das reações testadas com tubos inertes, podem ser arbitrariamente extrapolados para testes in vivo ou seja, no ser vivo.

3) Que todos os que se tratam parecem estar seduzidos pela ação pitiática, ou seja, sob o domínio da sugestão, não importa quão curiosa e inusitada pareça a evolução clínica favorável. Isto inclui os animais.

Outra forma de medicina

Afinal, sabe-se que milhões de seres humanos se tratam pelo método homeopático no Brasil, e 21% da população européia também. O verdadeiramente insuportável foi terem desprezado o mainframe da pesquisa homeopática no mundo e sob o manto da superficialidade terem introduzido mais preconceitos do que informações, mais ceticismo do que esclarecimento, e por último, e pior, terem mostrado que há de fato um fundamentalismo cientificista – tão obtuso quando seus correlatos políticos ou religiosos –, que opera na base do ‘acredito ou não’, ‘gosto ou detesto’, típicos, portanto, de uma crença monológica que caracteriza a velha ciência.

A boa notícia é que, apesar de tudo e de todos eles, uma nova ordem científica está em curso. Nela, o novo e o inexplicável podem ser investigados com liberdade e julgados pelas pessoas, já que a ciência é, ou deveria ser, para elas.

Por uma questão de coerência espero ter preservado meu direito de opinar.

Passado portanto o primeiro impacto da exposição da Globo, os desdobramentos já merecem ser provisoriamente avaliados. Alguns aspectos se destacam e o mais evidente deles é a repercussão social imediata. O Fantástico é um programa exibido aos domingos em horário ‘nobre’, concentrando boa parte dos telespectadores. É, além de tudo, o sucedâneo da novela. Como as pessoas precisam descansar delas um dia dos enredos circulares, montam-se outros, também fictícios.

O impacto social e na imagem da homeopatia foi razoável e funcionou como uma epidemia, com contágio de opiniões desencontradas.

Vejam alguns trechos de depoimentos coletados nas últimas semanas:

‘Fui gozado no trabalho porque eu me trato por homeopatia. O meu patrão me disse: veja se começa a tomar remédios de verdade, garoto!’

Um jornalista – que se trata por homeopatia – foi interpelado na redação por um colega que lhe disse: ‘Olha, se você precisar de substitutos para seus medicamentos homeopáticos eu conheço um website que vende de tudo!’

Uma senhora cujo filho foi curado pela homeopatia por uma bronquite crônica entra chorando na Associação de Moradores do seu bairro porque lhe disseram que ela arriscou a saúde do menino.

Para falar as coisas de uma forma mais clara e objetiva: a homeopatia é uma forma de fazer a medicina. Uma outra forma. Ela é feita – em nosso país – por médicos que passam por toda a formação normal e somente depois é que podem ser treinados em escolas e institutos apropriados para poder exercer a prática clínica homeopática. A homeopatia foi por muito tempo chamada de uma ‘recaída’ romântica da medicina. Por quê?

‘Amizade médica’

O que dizer, em tempos de ditadura da eficácia e da produção sob a batuta do relógio, de uma medicina que ouve pacientemente toda a narração que o paciente têm para fazer? Mas, ora, em medicina isto se chama anamnese (do grego recordar, relembrar). E todos sabem que um bom clínico, homeopata ou não, deve estar sempre atento a este aspecto. Toda consulta deve ser longa e minuciosa. Uma boa anamnese, diziam acertadamente nossos professores, equivale a uma boa chance de fazer um bom diagnóstico, afinar o olho clínico e proporcionar um bom tratamento. É, portanto, desejável que qualquer médico faça desta forma.

A homeopatia, por recomendação de Samuel Hahnemann (1755-1843), vai um pouco além disto. Como Hahnemann achava que precisávamos traçar a história biográfica do doente – e não somente a história das doenças – e da relação com suas enfermidades. Os médicos homeopatas portanto se excederam voluntariamente na já referida anamnese em busca de detalhes, pistas de contextos e circunstâncias da vida das pessoas. Buscam significados pessoais para cada aspecto do sujeito. Mas não se trata de psicoterapia strictu senso – que os homeopatas não fazem, salvo aqueles que se especializaram nesta área –, e sim de conhecer cada individualidade, cada particularidade da pessoa. Isto faz parte da estrutura íntima do seu modelo científico.

O leitor poderá se perguntar: mas como isto pode ser útil? O objetivo da medicina não é o de detectar e destruir as doenças? Não é conhecer o comum de cada doença?

É fato que precisamos também saber o nome da doença, mas isto de forma nenhuma circunscreve ou delimita o campo de atuação de qualquer médico. Vide o clássico juramento hipocrático. A ação médica excede isto, a ponto dos gregos terem pensado o termo ‘amizade médica’ como a empatia (transferência, diria Freud) necessária entre dois seres humanos para que o proceder médico seja feito com esmero.

Impacto na qualidade de vida

Tudo isto está certo, e para o historiador da medicina Henry Sigerist na boa medicina, seja ela de qualquer tendência ou filiação, estão colocados não um, mas vários objetivos simultâneos: compreender a relação que o doente tem com sua doença, avaliar qualidade de vida, pesquisar as motivações e percepções individuais, prevenir, promover a saúde, reabilitar, reduzir danos, diminuir riscos, aplacar sofrimentos e curar. A epidemiologia tem considerado isto, as ciências humanas que examinam a saúde, também. A homeopatia tem uma lógica histórica de lutas em saúde e conservou, para o bem de toda medicina e dos pacientes, sua peculiar forma de tratar pessoas.

Neste último programa afirmou-se que a homeopatia ‘funciona’ por três razões, não necessariamente científicas. Passemos em revista cada um deles:

1) A história natural da doença se encarregaria de corrigir o distúrbio.

De fato, uma grande porcentagem de patologias cura-se espontaneamente graças a um sistema imunológico integro que coloca em marcha a os mecanismos para devolver a homeostasia (o equilíbrio orgânico). Mas faltou complementar que este é um fenômeno universal e serve para quaisquer terapêuticas examinadas. Agora ou no futuro. Basta que se consulte a ‘bíblia’ da farmacologia clínica mundial dos autores Goodman e Gilman. No entanto, em patologias como doenças crônicas, a que mais atormenta nossa era, esta explicação não cabe, pois o sujeito não consegue debelar a doença a não ser cronificando-a. Assim como o chamado ‘decurso de prazo’ não é um argumento pertinente para desqualifica-la uma vez que a homeopatia tem resultados muito favoráveis em muitos destes casos. Não em todos, mas quem os tem?

2) O efeito placebo, ou seja a ação medicamentosa, é pura sugestão.

O remédio não é um detalhe. O medicamento é encontrado a partir de todos estes dados. E ele age de forma muito rápida e muitas vezes surpreendente. Pode ser o efeito placebo? Pode ser. O efeito placebo é poderoso e pode – ao contrário do que o senso comum apregoa – ser observado inclusive em animais. Mas há um detalhe fundamental habilmente omitido: o efeito placebo é universal. Sabe-se que ele ocorre em todo ato terapêutico, vale dizer faltou dizer que ele não é uma propriedade exclusiva da medicina homeopática. O uso de placebo nas experimentações homeopáticas registrada em seres humanos têm exatamente esta função: distinguir o que é uma simples sugestão do que é a ação de um medicamento verdadeiro. E as análises mostram e demarcam bem as diferenças.

3) As consultas aprofundadas é que geram as melhoras relatadas.

Segundo alguns pesquisadores boa parte das pessoas sente-se melhor pelo simples ato de uma consulta médica (homeopática ou não) e é a mais pura verdade que a homeopatia também está entre as práticas que se beneficiam deste efeito colateral positivo. Mas o que dizer do fato de que ela também produz impacto sobre a qualidade de vida das pessoas, retarda crises e cura quadros considerados complexos ou difíceis pela biomedicina, como patologias auto-imunes, imunodeficiências, hipertensões, dependências químicas, intoxicações, depressões e toda sorte de enfermidades metabólicas. Quem dera que todos fizessem as consultas aprofundadas que os homeopatas fazem. Conjeturando, se as consultas pudessem produzir um efeito placebo duradouro do teor imaginado por alguns dos pesquisadores entrevistados, a anamnese homeopática deveria ser hegemonicamente adotada, pois boa parte dos problemas clínicos sanar-se-iam sem qualquer necessidade de remédios.

A saúde para cada um

O que é impressionante é que de novo o programa não discutiu as questões vitais da tecnologia que envolve a homeopatia. E uma vez que se optou novamente pelo superficial, incumbimo-nos de dar uma ajuda no mergulho necessário.

Esta tecnologia sobrevivente de 200 anos tem levado organismos como OPAS e OMS a recomendarem formalmente que a homeopatia seja assimilada como uma forma válida e oficial para cuidar das pessoas.

Falamos da questão fármaco-econômica e econômica: a redução de custos que a homeopatia produz é impressionante. Impressiona qualquer administrador público responsável. Dados preliminares indicam relação custo-eficácia muito favorável ao tratamento homeopático tanto na ponta do custo dos medicamentos (cerca de U$ 3 por dose) quanto no de racionalizar os custos com os exames laboratoriais e a propedêutica armada.

Referimo-nos também à questão de atendimento primário em saúde, pois sendo o clínico homeopata antes de tudo um clínico geral, sua capacidade de acolher as queixas e tratá-las sem necessariamente encaminhar é algo digno de menção. Ainda, por último, mas não menos importante, me refiro à capacidade de gerar redes de benefícios sociais com um posicionamento menos intervencionista, ordenador e às vezes orientador na vida das pessoas sob tratamento.

A homeopatia é enfim popular porque, acolhendo a diversidade, coloca questões antropológicas, socioambientais e culturais que vão bem além de mera ação medicalizadora da vida: entra na questão do que é a saúde para cada um de nós. E isto não tem preço, ou prêmio.

A hipótese do desvio do órgão de choque.

Como pode ser que drogas tão diversas e inespecíficas atuem favoravelmente sobre a infecção causada pelo SarsCov2?
 
Minha hipótese: juntam-se as teses do Prof. W.E. Maffei e a do Dr. Samuel Hahnemann: se for mesmo o caso de agirem com efetividade, elas produziriam distúrbios e doenças artificiais e desviariam o órgão de choque, e assim evitariam a tempestade imune, considerada a grande responsável pelo agravamento dos quadros clínicos.
É só uma hipótese, mas estou convicto dela até que se prove o contrário.

Diário do apartamento 4 – Do sentido das carpas (Blog Estadão)

Sexagésimo segundo dia. Resolvi arriscar, fui adiante visitar uma praça do bairro. Andei por 25 minutos. Os músculos não respondem, mas eu os ordeno. É evidente que a quarentena deixou de ser só uma medida sanitária. Trata-se, concluo, de um novo tabu. Um confisco subjetivo da vontade individual. Também aprendi que não é um tema que valha a pena ser discutido em público. Só o faço por obrigação moral. Vivemos dias perigosos. Corre-se o risco de virar um alvo para depois alguém sacar uma jurisprudência qualquer contra você. Tocada sob a hermenêutica expressa. Ditada pela urgência, hoje qualquer um pode ser vítima dos juízes. Que dias, que dias! Os regulamentos do contrato social de repente sumiram sob as canetadas de quem precisava mostrar ação, mas perdeu a compassividade. E nunca teve a capacidade de imaginar. “Amparar  aqueles que dependem do Estado.” Lembro então do folheto que herdei de uma biblioteca perdida: “O Código Penal Fascista” de um autor italiano que combateu o verdadeiro fascismo, e que em 1942 precisou se exilar no México: Francesco Frola. Lá está no original, conforme foi criado, o artigo 213, a figura da “pessoa socialmente perigosa”. É o vago, é a imprecisão da linguagem que guia a mente totalitária. Ao avaliar a ignorância que levou o senso comum a pasteurizar a palavra “fascismo”, com suas hostes prós e anti, penso ter me tornado uma espécie de artigo 213 ambulante.  Não por ser violento, certamente não por ser destrutivo. E decerto não, sob o álibi da luta antirracista, por ter-me transformado num discriminador seletivo. Mas apenas por duvidar das regras de autoridades que perderam a autoridade. O arbítrio sempre será justificado pela ideologia. É o ganha-pão do pensamento único. Ninguém pode nos acusar de não termos multilateralismos: todos eles de pensamentos únicos, disfarçados de pluralidades, de denúncia do ódio alheio, de cinismo diplomático.

Esqueço que digressões não são mais perdoadas. Volto à minha jornada. Esqueço as lamúrias e acelero o passo. Noto que os transeuntes estão cabisbaixos. Alguns passeiam com animais. Um ambulante empurra seu carrinho desabastecido. Pipoca ou bijou? Vai saber. Ninguém compra, ninguém vende. A lei de oferta e procura? Suspensa por decreto governamental. Nem capitalismo de Estado temos. O sujeito olha a procura de clientes e enxuga o suor do rosto percebendo que fracassará.

Vejo um pequeno lago artificial e constato, mais uma vez, que as carpas também flutuam indiferentes ao mundo. É repetitivo eu sei,  mas assumo, neste momento a redundância é mais do que necessária. Além de ser a mais pura expressão da verdade: os animais e os objetos não vivem a aflição do mundo, a não ser como nossas projeções. Mas a alienação de tudo que não vem dos humanos diz muito mais de nós mesmos do que gostaríamos de admitir: por que compramos tanta angústia na banca das mídias? Quem está nos informando sobre o mundo externo? Com qual qualidade somos comunicados? Com que filtro analisam a realidade? E por que sempre como prescrição do que é a boa escola, o bom partido, os verdadeiros democratas, os cidadãos que, de um púlpito imaginário, sabem o que é melhor para todos? E sei lá em qual porcentagem, mas sei que são sempre os mesmos disfarçados de “grande frente”.

Observo então os arredores. Pessoas sem expressão. Será que as máscaras tiraram a espontaneidade? Estará a mímica ocluída pela vestimenta, a qual também funciona como mordaça? É indecifrável, e não tem nada de novo normal. Me parece que a evocação do neo realismo não passa de uma forma de escavar algo duro com as unhas, em terra batida, até que se ache algum sentido. Mas e se não tiver sentido algum? Tremo pela constatação que acabei de fazer. Mas, e se poucas coisas fizerem sentido?

A esta altura fica claro que o espaço para desafiar as normas vem se estreitando. Por que uma moléstia pode determinar a restrição da liberdade? Só eu acho isso grave? Enfim, pisei na área livre da grama do parque. Cheguei ao centro da praça, uma criança sem máscara me observa com estranheza. Sua mãe ou babá, difícil dizer, o arrasta para longe pela mão, censurando sua aproximação. Ela o puxa até um balaço enquanto consulta o celular. Me aproximo da agua de uma fonte que jorra da boca de uma escultura de um sol vermelho estilizado. Espalham-se os íons negativos. Ali, dizem os físicos, estamos no reino da negantropia: perdemos menos matéria, poderíamos até nos recompor. Será este o grande segredo das carpas longevas?

A criança ainda me observa enquanto acompanho os peixes que sobem à superfície. Imaginam que trago migalhas?

Proibido de entrar na área, o ambulante estaciona seu carrinho e me acena com a mão.  A praça se esvazia aos poucos. Será seguro respirar? Puxo a máscara e arrisco um sorriso. Só a criança, ainda atenta, sorri de volta sem imaginar a distância que nos une.

Hora de zarpar.

Desta vez, os músculos obedecem. Noto que a fisiologia é rebelde à tirania. O ânimo é o único que vale a pena ser cultivado. Sigo andando. A permanência da vida tem uma estranha autonomia. As carpas tem toda razão.

https://brasil.estadao.com.br/blogs/conto-de-noticia/diario-de-apartamento-4-o-sentido-das-carpas/

Contos minimalistas -Dos totalitários benévolos. (Blog Estadão)

Conto minimalista 1 – Justiça

Primeiro, eles vieram e deram o veredito.

_________________________________________

Conto minimalista 2 – Atos

Uma multidão gritava “longa vida os atos antidemocráticos” e eis que, imediatamente, uma voz, grave, ecoou do alto:

–É “live”?

__________________________________________

Conto minimalista 3 – A história

Reuniram-se, e, quando estavam prontos para reescrever a história, a tinta acabou.

___________________________________________

Conto minimalista 4 – Nunca fomos dogmáticos

–Dogmático!

–De forma peremptória afirmo: não sou, quer cara mais aberto ao contraditório do que eu? A prova é que vou te dar uma lição da verdade última e definitiva: e essa você nunca mais vai esquecer.

___________________________________________

Conto minimalista 5 – Dos totalitarismos benévolos
Certa vez, alguém, evocando o marco civilizatório, conclamou grupos para destruir estátuas. Combinaram os mobs  e começaram a incendiar monumentos nas cidades.
Vendo a destruição, um desavisado passante perguntou:
–Podem me dizer como vocês elegem quais serão as peças do patrimônio público que vão marretar?
–Tudo que oprime será derrubado e triturado, e chispa, você está com pinta de fascista.
— Espera, estou te oprimindo?
–Muito pior. Está ousando duvidar da inquestionável dignidade do nosso movimento? Sabia que agora “atos antidemocráticos” como o seu dão cana direto? Nem passa mais pela segunda instância.
–Quer mais público? Tenho sugestões. O nome que vocês escolheram está errado. Que tal chamar o movimento de vocês de T.B., totalitarismo benévolo?
–Tá tirando?
— Não, totalitarismo do bem, não soa melhor? Estou só tentando encaixar. Tem que se questionar. Por exemplo, a qual ramo pacifista internacional vocês pertencem? Jihadismo laico? Marxistas da combustão? Weberianos da pesada? Furiosos da Kombi? Truculência dialética organizada? Invocados de Ghandi? Civilização ou morte?
–Ah, olhem só colegas, viram? Eis a prova, um legítimo defensor da ditadura.  Seu burguês, brutamontes, descortes, incivilizado, casca grossa, chambão, javardo, lanzudo, inurbano.
–Isso é preconceito irmão. Não julgue pelas aparências. Quero colaborar. Deixe que eu me apresente.  Trabalho com marketing político, olha, aqui tem meu cartão. E estende um, sacado do terno já todo amarrotado.
–Vocês, ele continua, ainda não sabem, mas somos nós, os marquetólogos, quem ganhamos as eleições contemporâneas. Pode nomear: situação ou oposição, esquerda ou direita. Só não pegamos centro, falta material humano e massa critica, me entende? Pode consultar o Lattes, fui eu quem criei os slogans dos últimos governos.
O passante então se viu cercado por forças de enfurecidos democratas iconoclastas seletivos, e, sentindo o perigo, levantou as mãos para atalhar:
–Calma. Total apoio a vocês. Minha proposta é que vocês ampliem o movimento. Já venho matutando isso faz um tempinho. Sugiro fortemente, por exemplo, que vocês passem a se chamar de S.A.I. A esta altura estava quase sufocando com a gravata que um antifascista estava lhe aplicado.
–Espertinho, vem com malandragem, vem. E o que é que isso ai quer dizer?
–S.A.I. é a sigla para “Só a Anomia Importa”. Percebe? Soa melhor, é mais amplo. Vai angariar mais apoio, incorporará mais gente, agregará os órfãos do anarco-sindicalismo nativo e ainda fica mais charmoso, já que vai encampar o que está bombando pelo mundo: o multilateralismo-étnico-racial-unívoco.  Veja, é assumir a coisa. Honestidade aparente é tudo na propaganda política.
Fez-se um silêncio entre os prosélitos da agressão esclarecida.
–Será que daria para afrouxar a gravata, amigo? Ele deu uns tapinhas amigáveis no braço musculoso do homem que espremia sua traqueia e vestia a camisa com a estampa “Aqui é Marco Civilizatório”.
–Taí, parece simpático. Gostei. Larguem ele, o cara é um dos nossos. Falou o líder, enquanto foi empurrando para o lado aqueles que o estrangulavam pelo pescoço.
O passante tenta se recompor, livra o corpo para ensaiar uma despedida.
–Agradeço a compreensão. Sempre digo, tolerância é a base de tudo. E ergueu o punho para mostrar solidariedade enquanto pigarreava e massageava a garganta recém esmagada.
–Vai Anomia, e gritou, conclamando, a nova palavra de ordem.
–Valeu brother. Respondeu o líder, seguido de discretos uivos comemorativos do grupo.
Enquanto se afastava pensou “Ah,  como é emocionante contar com todo este excesso de civilização”

Um golpe chamado democracia (Blog Estadão) 2015

As regras do jogo vão ficando cada vez mais curiosas, e abstratas. O juízo pode não ser justo, a República se torna um partido, e os apoiadores do regime unidos aos  poucos intelectuais equivocados e a maior parte guarnecidos com subsídios federais, podem se dar ao luxo de abandonar toda critica. São dois mundos. O poder, separado da plateia. Como numa ópera agitada, o escândalo dos sopranos amordaça os ouvintes. O sonho dobra-se à calamidade. Normalmente, se você comete um deslize paga pelos erros. Se alguma vez tua musica desafinou, acontece, perderás audiência. Se tua carta é infantil o desgaste será inevitável. Paga-se multa por quitar a divida em atraso. E a inadimplência segue a mesma lógica. Ninguém pode ter a prerrogativa de justificar crimes pela lógica das circunstâncias. Sanções não são perseguições individuais, nem encrenca com a singularidade. Normas civilizam, e minimizam o inevitável desgoverno das complexas sociedades contemporâneas.

Todo juiz é, deveria ser, servo de uma consciência que não lhe pertence, não completamente. Ao nos desviar da educação e troca-la por slogans com as bênçãos do marketing político, sofremos com outros sintomas do atalho equivocado, em particular na economia que falece sem espernear. Que declina junto com empregos e renda. Trata-se de um asfixia brutal, ainda que não mecânica. O nem tão gradual declive é derivado de um erro crônico,  calculado, mas nunca assumido.  Sem autocrítica, o mal feito continuado é encarado sem drama, como ponto pacifico de um sistema que passou a se considerar acima das leis por estar respaldado pelos votos.  Tudo isso já seria o bastante, mas há algo bem pior. O estrangulamento dos centros do saber, quando a educação foi sendo substituída por adestramento de militâncias. A decadência de editoras, o sumiço dos leitores e, por fim, a agonia do livro, são evidencias simbólicas. O rebaixamento cultural é um embolo que ejeta a razão para nos inocular estagnação. É o melancólico final de um ciclo de experiências nos empurraram para um novo e decrescente estatuto da cidadania.

Quem ainda presta atenção à realidade sabe que vivemos um “não é possível” todos os dias. Um apuro por dia, com a marca perversa do desprezo pela opinião pública. O fato mais impressionante, dentre todos aos quais assistimos, é a persistência de uma dialética tosca, insuficiente, mal composta. As brigas, incêndios de escolas e vandalismo parlamentar são detalhes. Quem quer contestar a legitimidade do impedimento de quem foi eleito, precisa antes responder: como quem não foi eleito, mas nomeado por outro poder, pode ter o poder de julgar representantes votados? Foram essas alianças fracas que estornaram o saldo para decretar o destino imprevisível.

Mas nem sempre destoamos desde o principio. Houve um breve interregno, no qual algum diálogo era plausível. Não mais. Os tensionamentos voaram para bem além das palavras.  A nova casta de beneficiados pelo regime são partidários do impasse. Não que as instituições não funcionem, elas só parecem ter perdido a memória de sua função: trazer conforto e segurança para a maioria. Vivemos numa não declarada sociedade de posicionamentos antecipados, onde o argumento anda valendo muito pouco. Quando desceram aos álibis para satisfazer o imediatismo de suas convicções, desprezaram a democracia. Para quem obstaculiza a constituição, democracia é golpe. Ficamos solitários e sem ninguém. A solidão é um rastilho, o sem ninguém, a pólvora. Restou-nos o nosocomio no qual se transformou uma política repleta de eleitos sem vocação para Estadistas.

Uma América ao sul continua retida. Um território que não se reconquista sem mudanças. Pode e deve haver mais de uma porta de emergência. No entanto, todas elas exigem destrancamento corajoso. Mesmo tendo receio de que este não é o caminho ideal, mesmo que os cientistas políticos oscilem, e mesmo que grupos tentem sabota-lo, ele já é irreversível. É que a ameaça costuma redobrar a determinação. Quando um império desfavorável tenta colocar ferrolhos e liminares no fim do túnel, nós, os reféns da claustrofobia inventada, intuímos: é agora ou nunca. Precisamos sair. E sair a pé. E aos milhões. Afinal, domingo parece ter sido feito para isso.

http://brasil.estadao.com.br/blogs/conto-de-noticia/um-golpe-chamado-democracia/