Sinto muito se o que vou responder pareça um charme artificial de autor, mas a verdade é que há um mecanismo, vale dizer, uma vitalidade estranha colonizando qualquer personagem. Não me refiro a uma coluna mística (que também existe) mas a uma espécie de masmorra (ou torre) psíquica que  move o autor para esta ou aquela direção.

Zult Talb, por exemplo, o protagonista da primeira parte do livro, é o personagem mais corajoso, destarte ele não se sentir assim. O que aparece de um personagem é uma fração de sua complexidade. O que dá o contorno de cada um deles é o subtexto, o oculto, o não explicitado. Yan é um personagem muito perpicaz mesmo assim ele está instavel todo tempo. Sibelius é um militante decepcionado mas está sempre operativo tentando atuar no  mundo prático. Os personagens são contraditórios porque as configurações psíquicas do mundo prático assim o exigem.  Mas então onde entra a ficcão? A ficção entra para romper com o que se espera e assim quebrar a apatia de uma representação literal — e empobrecedora — que acomoda o leitor no luxo do conhecido. 

Não quero o repisamento realista de tudo mais ou menos como é, não repriso a realidade tal qual a conhecemos  porque o que importa numa ficção é que o leitor caia na irreal (mas não na irrealidade, há muita diferença).

Isso tudo para dizer que as características de cada um dos personagens tem um inconsciente operativo ao qual meu acesso é realmente limitado. É quase o caso — é o caso — de afirmar que cada um deles têm o fogo sagrado da autenticidade. Assim deve ser.

Só assim a literatura faz sentido e os personagens (expressão limitada para definir os players em um romance) escapam da tirania autoreferente e autocentrada do autor para adquirir até certo ponto, autonomia. Há que se deixar, levar. Se deixar levar pelo fluxo — fragmentário e avesso — com que nossa mente e espírito instala a vida em cada um.

Se um personagem foi criado ele deve adquirir a autonomia mínima que vai se desenvolver na mente do leitor. Para traçar analogias, é como uma substância química que passa a fazer parte do genoma de alguém. É um acréscimo que vira carne.

Por isso mesmo, escolha bem o que vai adicionar a voce mesmo.