Marco Civil: ‘Preservar coerência é importante’

Espionagem brasileira não viola a privacidade, diz ministro da Justiça

Estados Unidos têm 841 antenas no Brasil

 

Espia – segundo o dicionário etimológico de Antônio Geraldo da Cunha, espia significa “pessoa que às escondidas observa ou espreita as ações de alguém”. (spia, 1554)

Agora acreditem, assim como há uma espionagem que desconhecemos, uma formulação inédita emerge no linguajar do mundo. Tomem como exemplo a “espionagem do bem”, aquela que não observa às escondidas, não espreita a vida privada, e garante a inviolabilidade dos direitos do sujeito. Uma autêntica arma secreta dos governos para salvaguardar os cidadãos, certo? Ela, assim como outros dispositivos táticos servem para proteger-nos de nós mesmos. Mas há uma arma muito mais poderosa. Inventada, trancada e guardada à sete chaves como segredo de Estado. Não são radares, antenas de plasma, ou nanocibertecnologia.

Trata-se da nova oratória. Um jeito muito particular de reinterpretar a realidade. A chave desta poderosa invenção, devidamente patenteada, parece estar na recriação de palavras que retorcem o sentido original do vocabulário. Afluem aos cursos de oratória criativa mandatários de todo planeta. Neste fantástico laboratório já saíram expressões consagradas como “monitoramento consentido”, “observação secreta assistida”, “branda espreita” e a que levou o segundo lugar no prêmio Tergiversação Internacional 2011: “invasão público-privada“.

Estudos históricos mostram que depois do “fumei, mas não traguei” a mania se institucionalizou com força pelo mundo contemporâneo: formadores de opinião e políticos convertem e conformam novos significados para velhas palavras estabelecidas na linguagem. Recriam-nas e trocam-nas por qualquer coisa, desde que não representem mais aquilo que antes designavam. Tolice nosso duvidar da sinceridade dos líderes. A essa altura, já deveríamos estar carecas de saber:  uns são mais espionáveis que outros.

Para comentar use o link do Estadão

http://blogs.estadao.com.br/conto-de-noticia/invasao-publico-privada/