Era para não ter citações, certo? De acordo! Aqui vai a de Albert Camus:

“A nobreza do ofício do escritor está na resistencia à opressão, portanto na aceitação da solidão”.

Albert, te pergunto se não dá para amenizar um pouco a coisa?

Não, não se ofenda, nem tenho como desconfiar do teu poder prognosticador mas é que assim vai ficando inevitável começar a culpar a ausencia de leitores, em seguida o incomodo de saber que voce escreve para o ideal, e o ideal não é sustentável.

Ah sim, já conheço essa cara de estranheza, e explico. Sei que estranhou o termo mas é que tudo hoje se resolve de duas formas: é só escrever sustentável ou neurológico.

Sim eu sei, mas é que são palavras mágicas, parece abrir todas as portas…

Não, não. Não são as portas da percepção que elas abrem: as do senso comum.

Isso não te interessa?

Nem a mim!

Boa noite.