Com gratidão e alegria apresento esta resenha da escritora Cíntia Moscovich sobre meu livro “Navalhas Pendentes” publicada no Jornal Gaúcho Zero Hora As Navalhas de Rosenbaum por Cíntia Moscovich “Navalhas Pendentes” é um livro sobre livros Editora Caravana
Naquele domingo, Homero Montefiore acordou com a casa completamente revirada e com tudo o que nela havia — inclusive o próprio corpo — coberto de sangue já coagulado. Colaborador da Filamentos, o maior conglomerado editorial do mundo, ele se vê dentro de um mistério que envolve os interesses das grandes organizações e que, de forma trepidante, dá partida ao romance Navalhas Pendentes (Caravana), novo livro do escritor Paulo Rosenbaum.
Valendo-se de referências metalinguísticas, com incursões ao mundo digital e à inteligência artificial, numa narrativa espiralada que se ata e desata, Rosenbaum desenvolve um livro sobre livros, volume que vai se desdobrando como um thriller no melhor estilo dos policiais noir. Narrado em primeira pessoa por esse rapaz muito esquisito e doente — tem traços de gigantismo, articulações excessivamente elásticas e sinais de envelhecimento mitigados —, Rosenbaum compõe, entre sangue e lâminas, o retrato da enfermidade e dos bastidores das usinas de best-sellers, imagens desconcertantes porém perfeitamente verossímeis.

Navalhas Pendentes

Tendo chegado a um posto de prestígio na Filamentos, Montefiore se intriga com a identidade de Karel F., misterioso e mais rentável autor da casa. Inicia, assim, uma investigação que o leva a descobertas cada vez mais ousadas e perigosas, a tal ponto que, quando dá por si, já é acusado de crimes que talvez nunca tenha cometido. Desesperado e em estado quase lisérgico, sua única opção é tentar, por todos os meios, provar sua inocência.


Nascido em São Paulo, atuando como médico, Paulo Rosenbaum tem uma prosa muito elegante e envolvente, com uma precisão de cortes entre capítulos excepcional, virtudes que ele já havia demonstrado em A Verdade Lançada ao Solo e Céu Subterrâneo, suas publicações anteriores.


Aqui, em Navalhas…, além de oferecer uma história surpreendente, na qual seus conhecimentos médicos são utilíssimos, o autor coloca em xeque a liberdade autoral, a liberdade dos leitores e a dimensão por vezes esquemática das narrativas em que estamos todos mergulhados. Grande livro e grande projeto gráfico.