Tags

, , , , , , ,

Sabemos o que você acabou de teclar: a nova polícia do pensamento.

Seus dados armazenados estão seguros e voce confia no sigilo de tudo que tecla, correto? Está seguro que todas aquelas bobagens que deletou antes de postar ficarão apenas na sua memória? E a menos que algum hacker maluco cisme com você, não há o que temer, confere? Caia na real. Não há mais nenhum motivo razoável para acreditar em privacidade.
Segundo reportagem do New York Times, a máscara ruiu desde que, por desconfiança, um estudante de direito austríaco solicitou seus próprios dados ao Facebook. Para sua perplexidade, em poucos dias recebeu um dossiê de 1.220 paginas inclusive tudo que havia deletado e jamais postado.

Não para por aí.

Coisas muito similares aconteceram com o Google há alguns anos, quando, do dia para a noite, um livro com copyrights havia sido inadvertidamente disponibilizado para download. Milhões o baixaram. Pois não é que a noite, enquanto os usuários dormiam, ele foi simplesmente sugado dos computadores.

As empresas citadas admitiram os erros. Prometeram reter dados por tempo menor. Medidas quase inócuas, diante da gravidade do problema.

Se os dados das pessoas tem valor comercial, mais informações, mais dividendos no mercado acionário. Acontece que seus dados valem muito mais que dinheiro. Estamos falando da grande moeda: aquela que dá acesso ao poder.
Saber o que cada usuário lê, ouve, escrutinizar preferências pessoais, e as navegações que fazemos, alimenta um vastíssimo mercado de pesquisa de tendências. Tudo não passaria de mais uma sacada comercial: você usa e dá em troca as informações que eles precisam.

Mas a jazida de ouro puro não está aparente: são as estatísticas colhidas que depois descem às planilhas do marketing político. Em poucas palavras, manipulação das massas.

A lógica oculta desta transação, a grande jogada, é o controle cybertecnológico que pode incluir extorsão e chantagem. É a versão 2.0 da nova polícia pragmática do pensamento.

Para ler na íntegra acessar o link do Jornal Do Brasil http://www.jb.com.br/coisas-da-politica/noticias/2012/02/23/sabemos-o-que-voce-acabou-de-teclar-a-nova-policia-do-pensamento/