Tags

, , , , , , ,

Ou Taustoy (como se pronuncia em russo)

No recente ciclo sobre literatura um descendente direto do escritor trouxe informações importantes.

Mas nada supera o pequeno filme documentário que foi projetado com raras imagens originais em que o escritor — já consagrado — aparece cavalgando com seu médico, ou passeando em sua congelante propriedade em Iásnia Poliana às cinco horas da manhã.

Tolstoy teve a sorte de nascer em uma família aristocrática e pode produzir literatura no conforto de uma vida material assegurada. Faz diferença. Toda diferença!

Mas o mais notável não foi nada disso.

O extraordinário foi ver Tolstoy — cuja literatura foi execrada pelo regime soviético — cercado pelos camponeses para os quais distribuia atenção e dinheiro.

Não quero idealizar, mas a justiça social com que Lev fazia caridade o aproxima das linhagems de justos que andam sumidos e cada vez mais ocultos.

Nesse sentido, o conde descendente daquele escritor concorda que sua visão de justiça social era antes de qualidade espiritual, vale dizer, Lev processava o humanamente possível, e toda revolução (se quisesse levar esse nome) teria que passar por essa via, renunciando não só às tentações autoritárias, mas incorporando uma outra causa à causa. Estabelecer um mundo menos desproporcional e a aquisição de cultura e sabedoria, ao mesmo tempo.

A propriedade em Iásnia Poliana foi duas vezes salva pelos camponeses: no início da revolução russa quando a turba inflamada veio incendiar a propriedade, camponeses da cidade defenderam a casa do escritor.

Depois foi a vez dos nazistas que depois de pilhar a residencia, tocaram fogo às vesperas da saída às pressas para nâo enfrentar o exército vermelho, e, mais uma vez, camponeses-bombeiros salvaram o lugar.

Vivemos tempos obscuros onde nada é o que parece ser, sem lugar para exemplos ou sujeitos que se destacam pela nobreza das ações. O otimismo escasso só poderá ser extraído das estranhezas e das atitudes pessoais. No declínio final da pós modernidade (e portanto da própria modernidade) serão experiencias e exemplos as únicas armas contra o fanatismo e as ideologias.

Tosltoy mostrou isso. Pelo menos tentou.