F7FBF8DA-B686-4124-91B3-8533C2522609_1_201_aFera avistada na Mantiqueira.*

Onça parda, matreira, quase extinta, ligeira.

Como gato, que, pardo, à noite é furta-cor.

Fulminou a câmera de lado, e, arrepiada, olhar luminescente, encarou.

Euforia: animal errante, fugidio.

Chegou ao portão, elegante, arredio.

Reciclagem da natureza, aparição oportuna?

Voltam pelos mananciais preservados,

O selvagem reintegrado?

Ou o vigor da floresta na escuridão gatuna?

Festa, o imaginário ressignificado.

Em meio à solidão, um cenário sob mutação.

Seria um jaguaruni, arisco?

Um gato mourisco?

De qualquer modo, aura felina onipresente.

Esquiva, cautelosa, imponente.

A ciência, provocada, cogitou:

Gato, selvagem, onça, pantera, jaguaruni?

E o que importa? Não nos basta contempla-los aqui?

 

*(Inspirado em uma história um tanto irreal)